Recém-publicado

Depois da Web Summit, a Maçonaria Summit

Sede do Grande Oriente Lusitano vai acolher no dia 18 reunião europeia de obediências maçónicas. Como é da tradição, à porta fechada

O advogado Fernando Lima foi reeleito em junho para um terceiro mandato como grão-mestre do Grande Oriente Lusitano | NUNO PINTO FERNANDES/GLOBAL IMAGENS

Lisboa parece ter passado a constar com lugar garantido no mapa de grandes organizações internacionais. A Web Summit terminou quinta-feira e entretanto já se prepara outra cimeira internacional para a capital: mais pequena, nada tecnológica, muito mais discreta – mas provavelmente nem por isso menos influente.

Trata-se, pela primeira vez em Lisboa, de um congresso europeu de maçonarias, cuja organização anfitriã será a maior, mais antiga e mais influente obediência maçónica portuguesa, o Grande Oriente Lusitano (GOL). Estão convocadas cerca de trinta organizações maçónicas de toda a Europa, confederadas pela Aliança Maçónica Europeia (AME), liderada pelo belga Marc Menschaert, e que tem sede em Bruxelas.

O convite partiu do chefe do GOL, advogado Fernando Lima, recém-reeleito grão-mestre da obediência, e a AME aceitou. Virão a Lisboa “irmãos” representando organizações de vários países europeus: França, Bélgica, Grécia, Luxemburgo, Suíça, Espanha, Roménia, Polónia, Croácia, Turquia, etc. E também “irmãs”, visto que a AME inclui obediências femininas: além da portuguesa, a Grande Loja Feminina da Bélgica, a Grande Loja Feminina de Espanha e a Grande Loja Feminina de França.

O evento terá lugar no dia 18, no Palácio do Grémio Lusitano (sede do GOL), no Bairro Alto, em Lisboa. Será usado o “salão nobre” do edifício, o Templo José Estêvão. Tudo, evidentemente, à porta fechada, como é norma e tradição nas organizações maçónicas. Depois, algures em Lisboa, o congresso terminará com um jantar juntando todos os participantes. A agenda não está definida mas preveem-se discussões sobre a emergência de nacionalismos na Europa e ainda de uma questão a que os maçons dedicam grande atenção, a laicidade do Estado.

Lóbi oficialmente reconhecido

A maçonaria é há alguns séculos, na civilização ocidental, uma força com influência reconhecida (em Portugal foi quem liderou todo o processo que conduziu ao fim da monarquia, sendo maçons todos os principais líderes da I República (1910-1926). De há uns anos para cá, na Europa, essa força já tem estatuto de lóbi oficialmente reconhecido, na sequência de um diálogo estabelecido nos anos 90 do século passado com o então presidente da Comissão, Jacques Delors.

Isso traduziu-se na inscrição da Associação Maçónica Europeia no Registo da Transparência da UE, uma base de dados da Comissão Europeia que “enumera as organizações que procuram influenciar o processo legislativo e a tomada de decisões das instituições da UE”. E que, além disso, “dá informações sobre que interesses são promovidos, por quem e com que fundos, permitindo aos cidadãos e a outros grupos de interesse acompanhar as atividades de lóbi e exercer um controlo público das mesmas”.

Este registo implica que todas as organizações nele constantes revelem todas as interações que mantém com decisores políticos da UE – uma forma de dar transparência à atividade, assim reconhecida, do lóbismo (representação de interesses setoriais). Em Portugal nada de parecido existe – mas para lá se caminha, por via de um projeto de lei do CDS entregue no Parlamento (que ainda não foi votado).

A Aliança Maçónica Europeia afirma que “trabalha para a perfeição da humanidade e para a construção de uma Europa baseada nos princípios do secularismo e do respeito pelos valores da paz, liberdade, igualdade, solidariedade, responsabilidade e, acima de tudo, fraternidade”, recordando que esses são “os princípios e os valores que constituem a base para a criação da União Europeia”.

O seu principal objetivo é “promover os valores e princípios da Maçonaria, especialmente a liberdade de consciência e pensamento, assim como o direito inalienável aos ideais da democracia, fraternidade, igualdade de direitos para todos os seres humanos e dignidade humana, incluindo o direito à escolha da procriação, da conceção e da extinção da vida”.

Além do mais, “defende o princípio do secularismo”, o qual ” implica a separação rigorosa e completa entre as instituições europeias, igrejas e organizações filosóficas – separação, mas não oposição”, empenhando-se também na ideia de que a investigação científica não pode estar limitada por razões religiosas. Source:DN



99Taxis JBL Agoda Hotéis Giuliana Flores Onofre Eletro
 Estrela 10  Oculos Shop  Topper  Shop dos Cabelos Oticas Diniz
Maria Valentina Havan Aramis Confidence Cambio Gorila Clube
Mc Donalds Morena Rosa Motorola New Nutrition Recarga
Só Suplementos Sonoma Tamarindos Beer Planet Vinho Site
Zattini Zoom Oakley Click Bus Calvin Klein

 

QUER RECEBER DESCONTOS INCRÍVEIS? CADASTRE-SE AQUI

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: