Recém-publicado

Theresa May agora admite a possibilidade de um 2o. Referendo.


E as chances de UK permanecer na UE aumentam ainda mais.

Em meio às turbulentas negociações do Brexit no Reino Unido , pela primeira vez o governo britânico assumiu que seria possível realizar um segundo referendo sobre o divórcio com a União Europeia   (UE). A declaração veio da ministra do Trabalho, Amber Rudd, membro do círculo próximo da premier Theresa May, e foi comemorada entre ativistas pró-europeus e críticas de eurocéticos.

Rudd reconheceu que a convocatória para um segundo referendo — o primeiro foi realizado em junho de 2016 — poderia acontecer caso o Parlamento rejeite o acordo negociado entre Londres e Bruxelas sem chegar a um consenso sobre uma estratégia alternativa.

— Não quero uma consulta popular nem um referendo — disse a ministra ao canal ITV. — Mas se o Parlamento fracassasse totalmente em alcançar um consenso, vejo que poderia ser um argumento plausível.

Rudd, que se opôs ao Brexit na campanha que antecedeu o referendo de 2016, entretanto reconheceu que muitos dos seus colegas do Partido Conservador são contra a realização de uma segunda votação. A própria May já rechaçou esta opção diversas vezes, afirmando que é seu objetivo entregar aos britânicos um resultado condizente com a mensagem das urnas.

A declaração da ministra foi considerada por Owen Smith, um parlamentar trabalhista e membro do grupo anti-Brexit, “um grande momento para nossa campanha”. No campo oposto, em favor do divórcio com a UE, o deputado conservador Marcus Fysh considerou que a ministra tem ” mau julgamento” e que não deveria estar no governo.

Com a saída oficial britânica do bloco prevista para 29 de março de 2019, a possibilidade de um Brexit sem acordo parece cada vez mais provável. Tanto que a palavra “improvável” para se referir a esta hipótese foi retirada do documento oficial do governo que oferece orientações sobre como se preparar para este cenário.

A Comissão Europeia também vem se preparando para esta possibilidade e, por isso, adotou uma série de medidas mirando as áreas de serviços financeiros, transporte aéreo e controles alfandegários. Uma das maiores incertezas, no entanto, é a situação de um milhão de cidadãos britânicos vivendo em países da UE e de outros 3,7 milhões de cidadãos do bloco que moram no Reino Unido.

 

• Subscreva no Canal MBF de Informacoes – https://bit.ly/2tD1hCc
• Receba atualizacoes sobre essa matéria por email – Clique aqui https://bit.ly/2QoDlvU

Comunidade Portuguesa na Inglaterra – Clique Aqui e curta nossa página.

Comunidade Brasileira no Reino Unido – Clique Aqui e curta nossa Página.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: