Recém-publicado

Faça a sua escolha: democracias avançados ou em desenvolvimento?

Maria Antonio De Carli - Economista, mestranda em Políticas Comparadas pela London School of Economics e organizadora-fundadora do Brazil Forum UK. Baseada em Londres Maria Antonio De Carli - Economista, mestranda em Políticas Comparadas pela London School of Economics e organizadora-fundadora do Brazil Forum UK. Baseada em Londres

Não importa a localização, as estruturas de regimes democráticos se abalam perante crises institucionais e financeiras

Por Maria Antonia De’Carli – IREE

Essa semana na Inglaterra, dois ministros que encabeçavam o governo da primeira ministra Teresa May pediram demissão – Boris Johnson, ministro de Negócios Estrangeiros, e David Davis, ministro do “Brexit” (1). Eles pediram as contas num momento de extrema instabilidade no país. Esses dois figurões são ditos “brexiters” linha dura e eram os principais responsáveis pelas negociações Brexit entre o governo britânico e a União Europeia. A principal razão, segundo a imprensa internacional, é que os dois políticos não concordam com a posição de sua líder de governo, que apoia um “Brexit mole”. May parece seguir bem o script do que a maioria dos eleitores e a União Europeia atualmente querem ver, porém as divergências internas entre seus ministros põem em risco o seu mandato.

O Brexit é uma ruptura no status quo político da Inglaterra e do sistema internacional, o resultado das negociações será incerto por um bom tempo.

A grande questão com rupturas é que elas trazem grandes incertezas seguidas de grandes oportunidades (ou grandes decadências, tudo depende da habilidade e capacidade de resiliência sistêmica do país em questão). O ponto é que nenhuma democracia dita avançada ou em desenvolvimento está imune a instabilidades. A grande reflexão aqui é que rupturas parecem ter se tornado a regra e não as exceções.

Crises institucionais acontecem tanto em democracias ditas avançadas como nas em desenvolvimento. O Brasil recentemente presenciou uma ruptura no seu status quo com o impeachment de Dilma Rousseff, e podemos nos referir as eleições do Trump também como uma certa ruptura no status quoeleitoral americano.

O Brasil vive um cenário de recuperação de ruptura – Legislativo, Judiciário e Executivo parecem estar fazendo uma dança das cadeiras dentro de um cenário extremamente polarizado – no qual ambos os lados lutam para conseguir se firmar no poder. Nessa semana, a dança das cadeiras de Lula preso/Lula solto ilustrou bem essa situação. Nosso judiciário pendeu para um lado e para o outro, demonstrando uma incapacidade de se firmar como um poder independente.

Mas não culpem apenas o nosso Judiciário, a politização da Justiça não acontece apenas na democracia brasileira. A democracia considerada a mais avançada do mundo também está titubeando com a politização da Justiça diante da nova escolha de Trump para ocupar uma cadeira na Suprema Corte Americana (mais ou menos como nosso STF). O juiz conservador Brett Kavanaugh deve tornar ainda mais conservadora a Corte americana.

Diante desses cenários, Montesquieu deve estar se revirando no seu tumulo com tanta interferência entre os poderes.

Maria Antonia De’Carli é correspondente internacional do Instituto IREE e está baseada em Londres.

(1) Brexit é o termo que designa a saída do Reino Unido da União Europeia – escolhido por Referendum popular em 2016.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: