Recém-publicado

Conheça os argumentos de Fachin para investigar o presidente Michel Temer


Por Marcelo Galli

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, autorizou a abertura de inquérito contra o presidente Michel Temer (PMDB) porque entendeu que os crimes supostamente cometidos pelo presidente ocorreram durante o exercício da função. É que o diz a decisão do ministro, divulgada nesta sexta-feira (19/5). O relator da “lava jato” no STF aceitou pedido feito pela Procuradoria-Geral da República.

Fachin cita decisão do STF de 2009, considerando lícita a prova obtida em gravação feita por um dos interlocutores. Reprodução

“É de sustento constitucional a hermenêutica segundo a qual eventual investigação do presidente não afronta a Constituição. A imunidade temporária vertida no texto constitucional se alça a obstar investigação do presidente por atos estranhos ao exercício das funções”, diz o ministro.  Sobre o tema, a PGR cita no pedido trecho de obra doutrinária do ministro Gilmar Mendes e reflexão do também ministro Alexandre de Moraes, defendendo que a abertura do inquérito contra o presidente por atos praticados no exercício da função não precisa de autorização da Câmara.

Temer é acusado de incentivar o pagamento de R$ 500 mil ao ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para que não fizesse acordo de delação. A PGR investigará crime de corrupção passiva e obstrução a investigações.

No pedido feito por Rodrigo Janot ele afirma que o crime de corrupção passiva só pode ser cometido por quem exerce cargo, emprego o função pública, conforme o artigo 327 do Código Penal.  Por isso pediu ao ministro Fachin para investigar o presidente da República. “O que põe, por agora, é apurar fatos sob suspeição. Nada que, nesse passo, corresponda a mais do que investigar fatos que serão ou não comprovados.”

As informações foram prestadas à PGR pelo empresário Joesley Batista, dono do frigorífico JBS, que apresentou gravações da fala do presidente antes de fechar delação premiada com o MP.  As gravações, segundo a PGR, aconteceram no dia 7 de março — depois, portanto, que Temer assumiu o mandato de presidente como titular, após o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Na decisão, Fachin cita decisão do STF, em repercussão geral, de 2009, considerando lícita a prova obtida em gravação ambiental feita por um dos interlocutores sem conhecimento do outro.  O caso foi discutido no RE 583.937, de relatoria do ministro Cezar Peluso. Por isso, Fachin não viu ilegalidade nas gravações entregues por Joesley ao MP.

Inq 4.483

Siga Comendador Marcio Borlenghi Fasano

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: